Espaço Nacional #01 – Cagematch? Lutas? Opiniões? Não me odeiem!

espaço

Fala meu povo, tudo certo com vocês? Meu nome é Tomyer, e eu sou o mais novo colaborador do blog. Ok? Mentira! Estou aqui hoje apresentar pra vocês o mais novo quadro da blogosfera. Muitos criticam a falta de espaço na luta livre nacional, certo? Então, eu venho opinar para vocês sobre os combates que ocorreram e as noticias que circularam na última semana quando o assunto é Brasil! O espaço é democrático! Comenteeeeeem!

Chegando agora no Wrestlemaniacos mais uma edição daquelas especiais. Ok, esse quadro vai se tornar semanal, se nossos amigos das federações postarem os vídeos em seus shows.

Vale lembrar, que esse quadro se equivale para passar informações sobre a luta livre nacional. Tudo de bom e interessante que rolar por aqui, iremos falar e mostrar para vocês.

Hoje irei falar sobre a FILL, a EWF, e também sobre a SWU e claro, sobre um projeto que estamos fazendo e vem fazendo muito sucesso.

Começando com a empresa do sul que anda parada, a SWU vem em um processo de treinos para evolução de seus shows, com a ajuda de Bruno Astro e sua experiência durante seu período na Pro Wrestling Rampage, a equipe tem tudo para despontar no ano que vem.

Falando da também do sul a EWF, ela vem em um hiato maior. Nesta semana, eles colocaram no ar uma de suas lutas no último evento deles o REVolution, quando o dono e campeão da empresa, KaOz se juntou a Crow para enfrentar Lorain Campos e El Garra.

O link do combate é esse aqui

EWF REVolution: KaOz & Crow vs Lorain & El Garra

O video de apresentação da EWF é muito bom. Entretanto a imagem deixa a desejar.
Logo no começo do combate, podemos ver que nenhum dos dois consegue fazer um clinch bem feito. El Garra entretanto é um dos poucos que sabe fazer as coisas bem feitos no Brasil. Um dos pontos que mais me irrita na luta livre nacional é a falta de trabalho de dupla. Ficou claro que as duas equipes fizeram a tag e trabalharam em si. Um erro no juiz é que ele nunca está perto dos ombros dos lutadores, ele vê o “Kickout” pela mão do lutador. A puxada do snapmare do KaOz em certa hora, é feita com a perna errada. Um erro qualquer faria o lutador se machucar. O Selling dos lutadores é muito précario. Falta história aos combates. Exemplo: El Garra acerta um belo Standing Moonsault e Crow sai no 1? O público gostou dos golpes bonitos, mas as duas equipes entraram num ringue e apenas um dos 4 lutadores fez o que devia ser feito. No caso, Lorain Campos.

Veja também:  Maníacos por Apostas - Resultados: Hell in a Cell 2015

O combate não foi interessante, pareceu apenas uma guerra sem sentido num ringue qualquer.

Nota: 3.5/10

O combate teve fim de uma forma estranha e sem entendimento. A EWF me parece mais um Backyard Wrestling dentro do ringue. Falta história, falta emoção.

Luta livre é muito mais que golpes, luta livre é mente, luta livre é história. Ouvi isso de um tal de William Regal.

Falando agora sobre a FILL, durante a semana eles anunciaram mais um de seus shows. O “Lute Para Viver, Viva Para Lutar” entra no calendário da equipe no que no ano anterior foi o Junto Somos Fortes.

O evento trará como sempre uma série de combates, e o fã que está no Rio de Janeiro, terá a chance de se deslocar até Vicente de Carvalho, para mais um show.

Falando sobre o Juntos Somos Fortes, no retorno do programa de Youtube, Rádio de Pilhadriver, Tytan, fala um pouco sobre sua experiência e a história e seus planos para o futuro. O mais interessante foi ouvir, o líder da equipe carioca comentando sobre a evolução da luta livre e sobre assistir outras equipes. Confira aqui! 

Vale apena gastar 50 minutos do seu tempo para se divertir ouvindo Tytan, sendo entrevistado pelo competentissimo, Luiz Tanaka.

Confira aqui!

Falando de combates, a empresa carioca nos apresentou dois combates.

O primeiro que pode ser visto aqui, foi entre o campeão de dupla El Garra e Anark Andy, confira aqui! 

FILL A Lei do Mais Forte 2015 – El Garra vs Anark Andy

Um elogio claro para a empresa do Rio, é a sua entrada. Mostrando seus golpes que na maioria das vezes são muito bem.

Mais uma vez, o clinch dos dois não é algo muito bom. Entretanto, as chaves são bem feitas. Ao contrário do juiz da EWF, o juiz da FILL tem uma base melhor para as contagens. El Garra realmente faz um selling bem melhor do que no combate anterior. Durante o combate alguns golpes bem efetivos, entretanto outros que não foram tão bonitos, mas outra vez, a falta de história e a sequência de golpes iguais, por parte dos dois me irrita demais. Sinto falta das tesouras bem feitas de El Garra, mas provavelmente, Andy não deve ter uma base boa para rolamento, cogito isso devido a ser sua estréia e por isso minha cobrança é bem menor. Os momentos mais perigosos e danosos para os lutadores foram o leg drop de El Garra que quase machucou a cabeça de Anark Andy, e um Brainbuster executado de forma perigosa. O fim do combate teve após um lindo 450° Splash. O melhor 450° Splash do país é de El Garra.

Veja também:  Maníacos por Apostas - TLC 2016

Nota: 5.5/10

O segundo combate vai ser a rivalidade entre a Sociedade dos Monstros e a Suplex City. Clica aqui!

FILL: A Sociedade dos Monstros (Patrick Prodan & Muro) vs Suplex City (Tytan & Sherman)

Um dos grandes defeitos para mim é a tentativa de agressividade nas lutas. Ouvi na entrevista, Tytan dizendo estar chateado devido ao público aparecer e depois ir embora no JSF, quando vi o show, pude notar exatamente o motivo. A brutalidade é algo as vezes desnecessário. Porém, nesse evento, e contra quem foi o combate, a brutalidade é algo enraizada. O juiz acho que se chama, (Yan) tem o defeito de não ir até os ombros pra fazer a contagem. Mas é claro que de resto ele é um juiz muito bom. Faz o lance das tags e poucas vezes parece perdido. Durante o decorrer do combate ficou claro que Prodan é do tipo que pega pesado e tem uma experiência em ringue muito boa. Tytan dispensa qualquer tipo de comentário. Ele tem uma diferença dos outros, ele possui uma certa calma no que faz. Mas a questão do erro é sempre o registro. Tytan que tomou uma surra de Prodan, joga Prodan para o público. Ai, Sherman bate em Muro e Prodan volta a ficar bom! Qual o sentido? Onde está a história? Os chutes fora do ringue são muito mais pesados e isso pode machucar qualquer lutador e deixa-lo por muito tempo parado. Os dois lutadores trocam German’s e não vendem. Sherman faz um lindo Spinebuster, e Muro após entrar faz o que? O que? O que? Spinebuster! Olha que divertido? O combate se encerra após Prodan acertar um belo landslide em Sherman e Muro acertar um rídiculo Shoulder Tackle. Antes que eu me esqueça, falar dos que vi pela primeira vez, Sherman tem estilo e shape de lutador, mas falta a calma que por exemplo, Prodan tem. Já Muro é mais tamanho do que tecnica. Não consegue vender bem os golpes e tenta fazer golpes que não vende para alguém de seu tamanho.

Veja também:  Maníacos por Apostas - Resultados Hell in a Cell/NXT TakeOver: Toronto/Survivor Series

Nota do combate: 5/10

Por último, mas não menos importante. Vocês conhecem o site Cagematch.net? Não? O Cagematch é um dos maiores sites de database do mundo, lá existem lutadores de mais de 10 mil empresas. Neste ano com a ajuda de Diogo e Bruno Astro, um amigo próximo e lutador, começamos a fazer os perfis dos lutadores.

Pasmem, em pouco mais de 4 meses e temos 46 lutadores brasileiros.

Confira a lista

Aja Pereira (Mexico)
Beto (BWF)
Bia (Free Agent)
Blackout (BWF)
Bob Jr (BWF)
Bruno Astro (Free Agent)
Count Franklin Furter (Aposentado ex- WWE)
Daniel Gracie (Free Agent)
Danny Einar (Chile)
Dante (BWF)
Deccal (FILL)
Dillios (BWF)
Eene-Meene-Mita (Free Agent)
El Garra (FILL)
Evan Fox (BWF)
Giant Silva (Aposentado, Ex- WWE, Ex-NJPW)
Gigante Xandao (México)
Insano Igor (BWF)
Iron Charles (FILL)
Ivan Gomes (Falecido, Ex-NJPW)
Kafu (Free Agent, Ex-WWE)
KaOz (EWF)
Marcio Silva (Itália)
Max Miller (BWF)
Montanha Silva (Japão)
Muro (FILL)
Nomade Touaregue (BWF)
Pedro Otavio (Aposentado, ex-NJPW)
Pedro Psycho (Aposentado, FILL)
Pezao (FILL)
Rapha Luque (BWF)
Renzo Gracie (Aposentado)
Rolles Gracie (Free Agent)
Rusher (SWU)
Scott Owen (BWF)
Solly (BWF)
Thuro Thuro (BWF)
Toko (BWF)
Tubarão Negro (BWF)
Tytan (FILL)
V8 (WWE)
Vallet (EWF)
Victor Boer (BWF)
Vitao (Free Agent)
Zumbi (Mexico)

Bem galera, é isso. Espero que as empresas citadas não levem a mal, tratarei todos da mesma forma. O objetivo, conseguir o melhor para a luta livre no pais!

Até a próxima!

5 Comentários

Deixar uma resposta
  1. Muito bom, estava há algum tempo procurando mais informações sobre luta livre nacional e esse quadro me mostrou bem o que eu queria. Parabéns, obrigado e até o próximo post!

  2. Post legal e necessário, pois para luta livre nacional crescer, além dos produtores e wrestlers precisarem melhorar a qualidade dos eventos, bem, a galera precisa saber que os eventos ainda existem 🙂 E quem sabe o feedback não ajude ambas as partes heheh

  3. Muito bom, ótimo ver o destaque para a luta livre nacional, com esse espaço bem mais pessoas podem passar a conhecer mais as empresas e wrestlers do país, e as críticas construtivas devem fazer algum efeito para a evolução ainda maior do produto.
    Acho ótimo que critique quando ache necessário e que faça uma análise sincera, e concordo com todas as críticas, menos com essa: “A brutalidade é algo as vezes desnecessário.” Não acho que e brutalidade e tentativa de agressividade seja algo desnecessário nas lutas, principalmente aqui no Brasil, onde o PW é ridicularizado e chamado de “fake” e “luta de circo”, os caras tem que mostrar agressividade mesmo pra mostrar que a coisa é seria.
    E além do mais o PW japonês/Puroresu é MUITO agressivo, duro, bruto e stiff ao máximo, e nem por isso vejo pessoas reclamando em momento algum, pelo contrário, é um sucesso de críticas e fãs.

    EXCELENTE essa iniciativa de colocar os lutadores brasileiros no Cagematch, eu mesmo estive procurando por lá ano passado por BRs e federações brasileiras e não achei quase nada. Estão de parabéns, continuem com esse ótimo trabalho!

    • Acredito que o ponto foi: A luta deve ser moldada para o público que está a assistir, se não, acontece o que foi falado, o público vai embora.

  4. A iniciativa do cagematch foi sensacional mesmo, e eu concordo que a violencia deve ser medida de acordo com a luta, para não ser mais pancadaria que Entertainment.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *