Espelho de Circo Especial Análise Crítica: A Carreira de Rosa Mendes

Oi gente, tudo bem? Voltando com mais uma edição do meu belo quadro, gostaria de trazer uma análise sobre uma pessoa que se aposentou recentemente e que algumas pessoas me pediram para fazer o quadro sobre: Rosa Mendes. Então, se quiserem ver mais sobre minha opinião e entenderem como Rosa se tornou a pessoa que era até a sua aposentadoria, continuem a leitura!

Rosa (Milena Roucka) era uma daquelas mulheres que não tinha uma gimmick muito bem definida, mas sabia trabalhar com o que tinha – mesmo que não fosse muito – o que se pode comprovar em sua carreira. Para quem não se recorda, ela estreiou na WWE como uma heel, atacando Melina enquanto estava disfarçada de paparazzi, isso para ajudar sua rival naquele momento – Beth Phoenix. Neste caso eu não ligava muito para Rosa, mas ela começava a se mostrar alguém que tinha um certo nível de talento para ser manager, mesmo lutando esporadicamente (BEM esporadicamente) dentro dos ringues.

Veja também:  Wrestlemaníacos Especial: GLOW e a (r)evolução feminina na luta-livre contemporânea

No que o tempo foi passando, Rosa entrou em uma outra rivalidade. Desta vez com um dos piores personagens que já passaram pela WWE – Santina Marella. Pelo amor de Deus, alguém explica porque essa feud aconteceu? Santino era engraçado, ok. Mas colocar ele vestido de mulher e fazer ele ganhar uma coroa na Wrestlemania, onde outras mulheres poderiam ter um push, é demais. Enfim, essa feud também acabaria passando – com Rosa saindo por baixo, na maioria das vezes. Isso a levou para a ECW que, naquela época, tinha como GM uma pessoa que vocês conhecem bem: Taryn Terell – vulgo Tiffany. Ela entraria em mais um trabalho de manager, desta vez de Zack Ryder e isto seria frequente até o fim da ECW, em 2010.

Isto a levou para mais uma mudança de brands, indo desta vez para o Smackdown. Ela entraria em contato desta vez com duas pessoas que realmente trasnformaram as Storylines do Smackdown em algo bastante produtivo: Lay-Cool. Basicamente sobre o que essa Storyline se tratava: Rosa queria muito fazer parte do Lay-Cool e as duas ficavam fazendo bullying com ela, chamando-a de gorda, falsa e tudo mais (basicamente o que fizeram com a Mickie, só que não com tanta repercussão).

Veja também:  Espelho de Circo - A controvérsia do Money In The Bank

Rosa continuava a tentar lutar dentro do ringue, mas já não mostrava toda a destreza que tinha na época de FCW e OVW e era isso o que faltava para que ela se mostrasse mais em relação as outras. Mais tarde, chegariam seus últimos lutadores empresariados por Rosa: Épico e Primo. Por um tempo eles acabariam se tornando campeões de duplas, mas Rosa ainda fazia valer o seu papel de manager, até mesmo saindo das sombras de ambos e se mostrando sobre os holofotes, mesmo não sendo como uma lutadora.

Entre seus últimos anos Rosa viria a ser manager de mais duas pessoas: Fandango (com uma gimmick de dançarina de salsa) e Adam Rose. Isto a levaria a entrar no cast do Total Divas – mesmo que por poucas temporadas – e continuar ainda a tentar ser uma lutadora, mas sem muito sucesso. Por fim, no dia 6 de Agosto de 2016 ela acabaria saindo em licença materinidade e, um ano depois, se aposentaria, depois de quase 10 anos de carreira.

Veja também:  Wrestlemaníacos Especial: GLOW e a (r)evolução feminina na luta-livre contemporânea

Não vou dizer que Rosa foi a melhor lutadora e nem que foi a mais carismática, mas ela sabia o que fazer com o que tinha nas mãos. Muita gente pode não entender isso mas, mesmo se não tivermos a parte técnica dos golpes, a parte lógica e de história da luta pode ser bem aproveitada e era isso o que Rosa sabia sim fazer. Não dá para se dizer que ela deixará saudades para todos, mas tenho certeza que seus fãs sentirão sua falta.

#boasortenamaternidade

até semana que vem!

Deixe um Comentário

comentário(s)