Espelho De Circo – O uso de mulheres em stables/trios/duplas

Espelho de Circo

Oi meu povo lindo, povo cheroso (q)! Voltando com mais esta edição do meu quadro e, nesta semana, eu resolvi falar sobre algo que veio me deixando um tanto quanto curiosa nas últimas semanas – isto se levarmos em conta o assunto da semana passada – que tem a ver com uma stable de agora do NXT: a SaniTY. Hoje resolvi falar sobre o uso das mulheres nas Stables e o que isso representa no universo do Wrestling, então, se quiserem continuar lendo, fiquem a vontade!

O que eu percebo é que, desde os tempos mais antigos, as mulheres eram tidas só como valets ou, no máximo, managers dos Wrestlers. Claro que tinhamos as exceções – Lita nos Hardy Boys é um exemplo disso – mas, na sua grande maioria, viamos que as mulheres eram utilizadas mais como um atrativo para fora do ringue e isso não é de todo o ruim. Deixem eu explicar: dependendo de como se utilize essa presença fora do ringue, pode se fazer com que uma storyline seja bem aproveitada e que aquela pessoa que não se torne tão obsoleta quanto quem está lutando. Querem um exemplo de uma boa mulher como manager de um lutador?

Veja também:  Wrestlemaníacos Ratings - Style Battle S01E02 - 10/02/2017

Créditos ao Instagram @marysemizanin

Maryse é um excelente exemplo atual de manager que não é ofuscada pelo seu contraponto, tanto que – se olharmos hoje – tanto Miz quando Maryse são excelentes partes do que o Smackdown tem para oferecer hoje e isto não é nada ruim. Mas pensem comigo, o que aconteceria se, nestas stables, realmente tivesse uma mulher que – além de acompanhar os wrestlers – também lutasse e fosse um personagem por conta própria? Bom, isso já acontece. Senhoras e senhores, o “pitbull” da SaniTY, Nikki Cross:

Créditos ao twitter: @NikkiCrossWWE

Então temos as duas vertentes: a manager e a lutadora. Quem vocês realmente preferem e como seria a stable dos sonhos de vocês? Deixem nos comentários ai abaixo e, como sempre…

ATÉ SEMANA QUE VEM!

Deixe um Comentário

comentário(s)