in

Mauro Ranallo fala de suas dificuldades no Smackdown

O comentarista do NXT disse que carreira na brand azul estava perto de matá-lo

Mauro Ranallo é unanimidade dentre os fãs de wrestling. Desde que entrou para WWE e começou a comentar o Smackdown, chamou atenção pelo seu carisma e emoções nas narrações. Mas, depois de alguns problemas na brand azul, mais precisamente com JBL, deixou a empresa momentaneamente. Depois de um período fora, Triple H o convenceu a retornar. Ranallo deu entrevista para Sport Illustrated’s Extra Mustard.

Sobre sua agenda na época do Smackdown e hoje comentando no NXT:

“Com a WWE, o maior problema foi a viagem semanal para o SmackDown. Eu também tinha um emprego no Showtime Championship Boxing, e agora no Bellator MMA, então eu estava ocupado quase todo final de semana e o fato de eu estar na estrada com o SmackDown Live , que era um trabalho dos sonhos na TV ao vivo da USA Network, ia me matar, literalmente, meus amigos mais próximos viram como isso estava me afetando, e isso só veio à tona. e honestamente, eu nunca tive um relacionamento melhor com a WWE, especialmente com Paul [Triple H] Levesque e Michael Cole, duas pessoas que são fundamentais para que eu seja a voz do NXT. Todo mundo, e eu quero dizer de Vince McMahon para Stephanie para Shane para o vestiário inteiro, é incrível.”

Como surgiu o convite para comentar na WWE:

“Quando eles me abordaram pela primeira vez sobre a vinda à WWE, eu até brinquei, e em toda piada há um pedaço de verdade, que eu aceito a oferta deles mesmo que esteja comentando para o NXT. Eles disseram que não, eles queriam que eu fizesse o SmackDown, e eu disse que era incrível. Eu sou um locutor de wrestling e um contador de histórias de wrestling. Por causa da minha experiência com o MMA e o boxe, sou toda a história contada no ringue. Com o NXT, você obtém uma hora sólida disso, e sim, obtém os promos e a construção do personagem.”

Fase atual da carreira no NXT:

“Além disso, tenho que dizer isso, nesta fase da minha carreira, fiz tudo o que queria fazer. Poucas pessoas podem dizer isso antes dos 50 anos. Então, quero retribuir, e já fui colocado em posição de ajudar os outros locutores e os jovens talentos. Eu adoro assistir os underdogs e quero dar-lhes todas as oportunidades para ter sucesso com minhas letras, por assim dizer, a sua música no ringue. O NXT tem sido uma dádiva de Deus e, honestamente, a WWE não poderia ser mais favorável e eu adoro o fato de que eles estão começando a se concentrar mais na saúde mental.”

Problemas com sua saúde mental:

“Havia muitas coisinhas, mas foi minha saúde mental que estava se deteriorando em um ritmo rápido. Eu precisava sair da estrada. As outras questões foram tratadas. com, e não é minha intenção com este documentário para entrar no meu relacionamento com a WWE. Eles foram realmente incríveis em permitir não só Paul Levesque para se envolver diretamente [no documentário], mas permitindo o uso de imagens. soprando para mim, apenas me trazendo de volta ao NXT, sabendo dos meus problemas.Essa poderia ser a manchete da história da Showtime. Você ouve sobre pessoas mentalmente doentes sendo perigosas para a sociedade ou perigosas para si mesmas, instáveis ​​e não confiáveis. Estou fazendo este documento: Eu sou um indivíduo de alto desempenho trabalhando no meu emprego dos sonhos.”

Fonte: WrestlingInc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rumor: The Young Bucks poderiam ter interesse em ir para a WWE

Stephanie McMahon

Razão para Stephanie McMahon ter ficado com segmento de Kurt Angle