WWE Conclusions #1: Estaria a WWE se tornando indy?

conclusions

É… meu primeiro texto aqui, galera. Sou o Mateus, um dos novos integrantes aqui do Wrestlemaníacos e estou muito feliz pela oportunidade que me foi dada, é realmente um grande prazer fazer algo que eu tanto gosto, que é debater, sobre algo que eu tanto gosto, que é o Pro-Wrestling. Ainda estou em fase de testes, então posso parecer ainda um tanto cru, mas espero ter um desenvolvimento bom nas crônicas para trazer textos de cada vez maior qualidade a este blog. Uma das coisas que eu sempre gosto em meus textos são os feedbacks, então sintam-se livres para comentar sobre o assunto e/ou sobre o texto, é mais uma forma de eu aprender mais e ter um contato com os meus leitores.

Mas bem, vamos ao que interessa?! Cliquem abaixo para ler o resto da crônica.

Apesar do título, eu não estou insinuando que a WWE está se tornando realmente uma indy, ele é uma metáfora para o que vou abordar nesta crônica. Procurarei fazer uma retrospectiva sobre o futuro da WWE (por mais que isto se torne um termo estranho, vai fazer sentido). Pode-se perceber então que neste texto, debaterei, mostrando minha opinião e usando argumentos sobre como foi e como está sendo construído esse tão aclamado futuro da WWE, no que se diz respeito a material humano, levando-se em conta, o que aparece em frente à TV (ou ao computador, como preferirem).

É um fato que, desde a criação do NXT, naquele primeiro formato de reality show, a WWE vem investindo cada vez mais em lutadores com excelente qualidade no ringue, uma vez que o roster se mostrava em bons números de grandes mic-skillers, alguns já veteranos, na época, como Chris Jericho e Edge. Estes lutadores mais veteranos, aliado aos trainers da WWE, ajudavam ao novos talentos a evoluírem cada vez mais o seu mic-skill e deixar o lutador adaptado ao produto da WWE, uma vez que esta ainda é uma empresa de “esportes-entretenimento”. Assim surge Daniel Bryan. Quem vê Bryan hoje, percebe sua grande capacidade de ter o público em suas mãos, característica fundamental para uma grande mic-skill. Entretanto, quem vê Bryan antes da WWE, percebe um baixinho com muito talento no ringue, uma grande disposição e uma boa mic-skill, porém nem próxima do que temos dele hoje.

Os anos passam e a WWE deixa um tanto de lado este investimento, até perceber o sucesso em que CM Punk e o próprio Daniel Bryan fazem em 2012 e, posteriormente 2013. Dois lutadores que vieram de indies e trouxeram um imenso lucro à empresa. Neste comentado ano de 2012, a WWE então desativa o nome Florida Championship Wrestling, que era até então o seu território de desenvolvimento, e o NXT passa a ser um show semanal, quase que como uma terceira brand da empresa, com wrestlers novos que buscam “desenvolver-se” no cenário WWE. O sucesso de Punk e Bryan era tanto que fez a empresa trazer de vez o projeto de adquirir wrestlers das indies, com talento principalmente no ringue, treiná-los afim de torna-los adaptados ao seu produto, desenvolver internamente sua mic-skill, criando wrestlers cada vez mais completos. Seth Rollins.

Tyler Black, um enorme talento nas indies, tecnicamente completo, conseguia realizar um arsenal de movimentos incríveis e spots por vezes chocantes com uma grande facilidade, dificilmente nos fornecendo botches, isto é, perfeito para qualquer Main Event de WrestleMania ou qualquer coisa abaixo dela (se é que existe algo acima). Black ainda tinha um defeito, era totalmente cru no mic-skill. Este é o grande exemplo de como a WWE usou o NXT para dar aos seus wrestlers algo que nunca fez antes, tornarem-os completos para o produto.

Há 10 ou 15 anos atrás, a WWE comprava ou desenvolvia wrestlers já com o talento, apenas polia-os para o produto e jogava eles no Raw, SmackDown, ou até mesmo a ECW, como foi com CM Punk e Jack Swagger. Randy Orton, Batista, Edge, Chris Jericho, Kane, os citados CM Punk e Jack Swagger, Dolph Ziggler, Cody Rhodes e, por que não, Drew McIntyre, entre muitos outros, são wrestlers que vieram com suas características montadas e a WWE pouco queixou-se de os tornar melhor em determinado aspecto. Foi assim que os dois primeiros nunca conseguiram desenvolver uma mic skill decente dado o seu gabarito e o hype que possuíram principalmente nos tempos de Evolution. Vamos tratar John Cena como uma exceção, ok?

Voltando a falar em 2012, tivemos no NXT, num programa exibido no dia 29 de julho de 2012, Seth Rollins como o primeiro campeão desta que podemos chamar de brand. Rollins desde então, confirmou-se como a base de uma grande geração de lutadores que fazem parte do NXT hoje, vocês sabem muito bem quem são estes, mas eu já volto neste assunto. Vamos nos focar em nossa linha do tempo. 4 meses depois, no mesmo ano de 2012, durante uma Triple Threat Match no Main Event do Survivor Series, envolvendo o atual WWE Champion CM Punk e os desafiantes John Cena e Ryback, quando o terceiro aplica seu finisher e está prestes a vencer a luta por pinfall em Cena, um trio de rapazes misteriosos com roupas pretas fardadas vão ao ringue e atacam Ryback incessantemente, levando-o para o ringside, até que vão para o Triple Powerbomb em uma das announcer tables, o que facilita a luta para CM Punk, que aplica o pinfall em um Cena derrotado e retém o cinturão. Com um grande hype de Michael Cole, o trio revela-se por lutadores do NXT, um deles é o então campeão, Seth Rollins, e os outros são Dean Ambrose, também proveniente de indies, sob o nome de Jon Moxley na DGUSA, e a exceção, Roman Reigns, primo do renomado The Rock. Começava então o grande desenvolvimento de wrestlers de indies em massa no NXT, um projeto que foi visto à longo prazo, tendo o auge, talvez, hoje, em 2015.

Durante esse tempo, uma série de bons lutadores apareceram no NXT, ganhando títulos ou não, como possíveis grandes nomes para o futuro da empresa, alguns bem-sucedidos, como Adrian Neville (hoje apenas Neville), Kevin Owens, Sami Zayn e Finn Bálor, outros nem tanto, como Kassius Ohno.

E já que isto tornou-se quase que um texto falando sobre o NXT, não podemos nos esquecer das divas, que toda vez que por lá lutam, nos dão combates 4 estrelas, ou até mais, como no último Takeover, em Brooklyn, mas isto é assunto para outro texto, que inclusive já foi muito comentado em diversos blog, então não creio que preciso me estender agora, talvez para um futuro, quem sabe.

A conclusão que podemos tirar nisto é que a cada temporada, a WWE, sem radicalizar em mudanças do seu produto, vai criando uma nova era paralela à chamada de PG Era, e isto a torna uma empresa cada vez mais forte no mercado, uma vez que consegue conquistar quase todo tipo de admirador de Pro-Wrestling, o que é bom para os fãs, que cada vez se sentem mais atraídos a assistirem os programas da empresa, pela qualidade de seus lutadores e, principalmente de algumas lutas, como foram as do Kevin Owens vs John Cena e esta última no SummerSlam, envolvendo o mesmo contra Cesaro (que por acaso passou em branco neste texto), citando também os grandes acontecimentos atuais no NXT. Isto tem como consequência, algo muito bom para a empresa, já que os ratings voltam a aumentar devido, principalmente, à grande aproximação que o fã de Wrestling tem dos seus lutadores favoritos.

Entretanto, como dito no post Esgoto Extremo do nosso querido Rodrigo Peret, ainda se faz por necessário encontrar uma peça-chave ao elenco, aquele rosto principal para estampar as revistas e vender além dos outros, como o John Cena hoje, algo que a WWE precisa criar em seu próprio domínio, pois dificilmente vai ser encontrado no circuito independente.

É isso aí, galera. Este texto acaba por aqui, espero que tenham gostado, pois fiz com extrema atenção. Não sei se está perfeita, deve ter um errinho ou outro, algo que deixei passar, e é por isso que gosto tanto dos vossos comentários, sendo eles em forma de feedback, ou debatendo sobre o assunto, como eu já disse, gosto bastante de discutir com vocês e responder às suas opiniões, porém, obviamente, desde que sejam de forma respeitosa para que podemos tratar um ao outro de forma harmoniosa, favorecendo sempre um bom contato entre autor e leitor. Vou ficando por aqui, até a próxima!

14 Comentários

Deixar uma resposta
  1. Parabéns pelo artigo, sobre o substituto do John cena eu creio que o que possui mais carisma sendo face ou possivelmente Heel ao lado do Paul Herman seria o finn balor e torço para que o Owens se consagre como top Heel

    • Nem o Bálor nem o Owens tem as características pra serem como um Hogan, SCSA, Rock ou Cena. Nenhum deles consegue atrair as mídias pra eles, atrair as crianças, etc. O Heyman é um manager usado pra fazer os Smarks pirarem a cada show, os fãs de PG (geralmente crianças e mulheres) não se atraem tanto assim pelo talento dele.

  2. Bom primeiro de tudo, queria agradecer o belo texto que escreveu, pois adoro ler crônicas e fui um adolescente na época que adorava fazer cronicas nos extintos blogs em 2007/2008.

    Agora partindo a matéria em que li, queria ressaltar o seguinte:

    Daniel Bryan “sempre” foi talentoso. Sempre foi o American Dragon respeitado no plantel indy. Ele apenas viu que já não havia como executar um futuro lutando na ROH ou PWG e outras e vendendo camisetas e cobrando por fotos em estacionamentos ou backstages.

    O talento que ele tinha e tem era necessario ser lapidado e então foi o que a WWE fez, e acabou tornando-se esse grande sucesso em que é, aonde ele está em recuperação a quase mais de 1 semestre inteiro e o público continua gritando YES! YES! YES!.

    Outra contra-parte em que concordo, é essa falta de STARPOWER em que a WWE ainda não tem, essa falta de uma “cara” que estampe revistas, venda figure actions, camisetas, estrele em filmes, executa ações sociais e seja o COOL GUY da empresa (sem ameaçar o lugar de John Cena até a sua aposentadoria).

    Temos esse cara hoje? YEP! Finn Balor!

    Mas o Fergal já tá nos seus 34 anos, ja é NXT Champion em menos de 1 ano no “desenvolvimento” de WWE Superstar e até ontem em Providence já fez Dark Match com o então veterano Samoa Joe.

    2016 é escrito praticamente um ano da “Four Horsemen of Future”:

    Balor, Zayn, Itami e Owens, mas basta saber em quanto tempo “rápido” eles vão conseguir cativar a WWE Universe a ponto de escreverem uma nova história da empresa, gerando records e momentos inesqueciveis.

    Concordo em tese que sim, a WWE está virando uma empresa Indy, pois a base de desenvolvimento que eles tem hoje não é a suficiente pra se criar um WWE Superstar do zero o suficiente pra um futuro “star power”, mas claro eles tem potencial suficiente pra desenvolver qualquer pessoa “o minimo atletica” um WWE Superstar, como aconteceu com o Braun Strowman (ex Strongman). Dai surgindo a necessidade dessa “garimpada” nas Indies como PWG, DGUSA, ROH e obviamente a proclamada NJPW.

    O futuro da WWE na minha opinião “não está na WWE”, mas eles estão correndo o mais rápido possível para o construir com “novos e jovens talentos”.

    Sorry pelo gigante comentário hehehehehe.

  3. Entendi a intenção do seu texto, e concordo com o que foi escrito. Porém o título não condiz com o conteúdo do texto. A ascensão dos wrestlers que vieram do circuito independente não faz da WWE uma empresa Indy. Quer que eu cite um exemplo? Brock Lesnar vs Undertaker. O marketing que a WWE fez em cima desta luta durante os shows mostra o porque a empresa é a número 1 do mundo.

    Quando a gente descreve empresa Indy, descrevemos uma empresa que não está vinculada a Televisão, ou seja, quem assiste os shows são sempre aqueles que compram os DVDs, assinam o show online e quem compra os ingressos para o show. Por isso, as empresas Indy precisam se preocupar com as pessoas que assistirão ao show, mas não acompanharão semanalmente, ou no ritmo que a empresa apresenta seus shows. Por isso eles se preocupam em apresentar um bom show de Wrestling, sendo estes mais importantes que a Storyline em si.

    A WWE está proporcionando uma liberdade maior para seus wrestlers se destacarem nos ringues em shows semanais, mas vemos que isto não ultrapassou o foco principal, que é a storyline. E digo isso em um bom sentido, pois a empresa se preocupa que as pessoas que assistem os seus shows, continuem interessados e continuam acompanhando-a para ver onde aquela storyline vai dar.

    A empresa que está indo para um caminho Indy, sem ser Independente é a TNA, que quase sempre tem luta por um título. Apesar de muitas das vezes serem boas lutas, como os Wolves com os Tag Team Championships, ninguém se interessa a acompanhar semanalmente a TNA, pois é irrelevante, e muitas das vezes, eles retém os títulos. Isso pra mim e o que mais peca nesta empresa, a falta de storylines interessantes e envolventes, que supera aquele Brawl toda semana até a luta concluinte, que também está sendo em shows normais.

    Apenas discordo neste aspecto. A crônica foi boa, você escreve bem, e boa sorte como cronista do Wrestlemaníacos.

    • Olá, Seeley. Muito obrigado pelo feedback, agradeço bastante, mas é algo que tenho de responder. Logo na primeira linha de texto (após o leia mais) eu expliquei a colocação do título. Nada passa de uma metáfora. Eu só quis mostrar ao público que iria falar sobre o grande crescimento de wrestlers vindo de indys. Até os grandes de TNA e NJPW estão indo pra lá cumprir o card: Sting, Samoa Joe, Jushin Liger. A WWE acaba virando uma empresa que começou a abraçar as indies, e em nenhum momento eu disse que o produto dela mudou, como eu mesmo expliquei, tudo que está sendo criado é paralelo ao próprio produto atual, sendo este o que gera o dinheiro. Desta forma ela agrada aos fãs de PG e também agrada aos smarks e cria uma empresa que captura o público de todos os lados, não perde inscritos para o WWE Network, a venda de camisetas do Kevin Owens aumenta, sem diminuir a do John Cena, este é o ponto que eu quis atingir.

      • Eu entendi seu ponto de vista e acredito que tenho o mesmo que você. Pra mim, a WWE tá fazendo a melhor coisa que poderia fazer no instante, e está próximo de ser a melhor fase da história da companhia. Precisa melhorar apenas a equipe criativa, que peca em algumas storylines, mas, pra mim, está perto de conseguir o melhor roster da história, perdendo apenas para o de 2003 (por enquanto), com Edge, Chris Benoit, Jericho, Eddie Guerrero, Rey Mysterio, além do retorno do Shawn Michaels, e a criação de novos talentos, como John Cena e Randy Orton. Era apenas essa questão do título mesmo. De novo, parabéns pela crônica.

  4. Seu artigo é bom cara, mas apenas acho que a WWE não está se tornando indy, por que se não me engano as indies costumam deixar seus lutadores aparecerem em outras indies, coisa que a WWE nunca fez e talvez nunca faça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *